quinta-feira, 12 de setembro de 2013

MY LIFE | Exame papão e falta de tempo

Queria vir avisar-vos que o blog vai andar um bocadinho em stand by, uma vez que o meu tempo anda cada vez a escassear mais e torna-se impossível publicar todos os dias. Como poderão saber, acabei o curso de Medicina este ano e, em Novembro, terei o exame de especialidade, um exame papão onde são perguntadas coisas que não lembram ao Papa. É certo que as coisas perguntadas estão todas no livro... O único pormenor é que o livro é daqueles que matou uma floresta para ser fabricado - que é como quem diz, é um bocado grande. Ainda tenho mais de 2 meses pela frente, mas já há dias em que os neurónios teimam em não funcionar! A partir de 21 de Novembro (espero que apenas após o exame), torno-me oficialmente acéfala durante um mês! Mas enfim, deixo-vos um texto divertido de uma blogger, também ela médica, e que fez o exame da especialidade no ano passado. Achei tanta piada ao que ela escreveu, que guardei nos favoritos e acabo por vos mostrar este ano, quando sou eu que estou mais ou menos na mesma situação! 



"Hoje venho falar-vos um pouco da minha saga, o exame de especialidade. 
Isto não é uma introdução ao tema, é somente um disclaimer para aquelas que não se sentirem motivadas para ler este post até ao fim, até porque há milhares de posts interessantes na barra lateral.

Ora, para as mais distraídas, ou para quem chegou aqui recentemente, eu sou estudante de Medicina. Aliás, apenas poderei afirmar isso na minha categoria profissional nos próximos 10 dias, sendo que a partir do dia 12 de Julho em frente serei Médica. Há coisas que só quem passa por elas é que entende, e a concretização de um sonho é uma delas... 
O problema é que quando eu tinha 19 anos, e após repetir os exames nacionais, me tornei caloira com um grupo simpático de 60 colegas com as notas mais elevadas do país inteiro, ninguém nos avisou que o pior iria estar para vir no fim. Ouvíamos vagamente falar no exame de especialidade, essa realidade tão distante, e que fazia desaparecer os alunos de 6º ano sem deixar rasto, mas nunca ninguém se preocupou muito com isso, até Julho do ano passado.

Primeiro, começou por ser o raio do LIVRO. O exame de especialidade é constituído por 5 capítulos, que corresponde a um livro do tamanho dum dicionário, chamado Harrison, que por motivos óbvios de actualização de conteúdos médicos, muda de edição frequentemente. Não é que o %&/&/% do livro decidiu mudar de edição este ano, e agora tivémos que andar a estudá-lo em Inglês? Ora, estudar em Inglês é no big deal, o problema é que as perguntas são taxativas, e a memória auditiva ajuda. Sim... vocês descobrem que têm todos os tipos de memória, e fazem promessas a todos os santos, quando estudam para este exame...

Em segundo lugar, é lidar com a pressão dos boatos. 
Eu estudo na faculdade mais a Norte, que tem duas faculdades mesmo ao lado, uma das quais tem uma reprografia mesmo jeitosa, onde até vamos buscar as nossas cópias ampliadas A3 do livro de estudo... Mas depois começam a constar coisas... Que há um grupo da Faculdade de HJ que anda nas anfetaminas, outros que começaram a estudar no infantário, outros que não dormem há 3 meses. Tratando-se deste exame, e de alunos de Medicina, que são os ninjas do estudo, eu acredito em tudo!

Em terceiro lugar, o mais difícil é lidar com a família, especialmente se ninguém da vossa família for do ramo, como é o caso da minha, e ninguém fizer a menor ideia do que é a carreira médica nem o exame de especialidade. Acho que vou fazer um panfleto informativo a explicar que sim, que já acabei o curso e que não, não estou desempregada, mas que por motivos burocráticos, só se faz o exame de especialidade em Novembro e só se começa a trabalhar dia 2 de Janeiro! E não, não posso passar receitas nem CIT's!

Continuando com o tema "família", e englobando os "amigos não-médicos", outro caso perdido é tentar explicar às pessoas porque é que eu preciso de estudar tanto. Tudo bem que grande parte dos meus amigos de infância já acha que eu não sou socialmente muito funcionante, mas a cara das pessoas quando eu lhes digo que ando a estudar diariamente desde Janeiro para um exame que se vai realizar em Novembro é priceless. Primeiro, porque se forem de Medicina, fazem aquele ar de preocupação e dizem, hmmm, se calhar, pras especialidades que queres, devias ter começado antes... Depois, se for um "civil", ri-se e pergunta se estou a gozar. E quando digo que não, tenta, a todo o custo, enfiar-me uma caipirinha goela abaixo.

Não minha gente, não estou a gozar, estou atrasada no estudo, estamos em Julho e começo a sentir sobre mim aquela pressão de véspera de exame, e não, não tenho problemas psiquiátricos!!! A verdade é que se vocês imaginassem as coisas que são perguntadas neste exame, era mais ou menos a mesma coisa que saber a informação nutricional dos rótulos do supermercado de cor e salteado, versão percentagem, fora as outras 500000 coisas que são "básicas" e dado adquirido.

Como tal, este ano o meu Verão vai ser sem férias. Mas ontem estive a ponderar com o BF e estivemos à frente do Booking um bocado e chegamos à conclusão que dava para encaixar 2 fins de semana prolongados, 1 no fim de Julho, para dar energia de estudo para o Verão, e outro no início de Setembro, para dar energia para a recta final...

As férias a sério vêm em Dezembro, com destino ainda não escolhido. Uma ida a Paris está (quase) garantida, falta saber se vai haver tempo para uma ida aos trópicos."

Já me ri a reler isto, mas é tão verdade!
Bom, quero então já pedir-vos desculpa pelas eventuais ausências! Sempre que possível cá estarei a publicar qualquer coisinha!
Beijinhos*

2 comentários:

  1. Resta-nos desejar-te toda a sorte do mundo e um bom estudo! Confesso que este texto me assustou, e eu nem sou de medicina haha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Daniela! Vou meeeesmo precisar! O texto assusta, mas ao mesmo tempo dá-me vontade de rir x)

      Eliminar

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...